7 de novembro de 2009



Luna e o muro de Berlim

Na próxima segunda-feira, comemora-se 20 anos de dois acontecimentos fundamentais pra história da humanidade, ou pelo menos da história recente dela. O primeiro é a queda do muro de Berlim. Construído em 1961 pela ex-Alemanha Oriental, que se autodenominava República Democrática Alemã, mas que de democrata não tinha nada, o muro dividia Berlim ao meio. Mais do que a real barreira, feita de concreto, foi símbolo de uma guerra que de fria também tinha apenas o nome. Eram 66,5 km de pedra, com 302 torres de observação, redes eletrificadas, cães de guarda e seres humanos dispostos a matar outros seres humanos apenas porque desejavam passar de um pedaço de terra a outro. Nada mais era do que um símbolo da estupidez humana.

O segundo acontecimento, enquanto civis alemães começavam a lascar e derrubar tal muro, foi o nascimento de uma menina a que batizei de Luna. Lembro bem da minha cara colada na vitrina que separa pais chorões de bebês igualmente chorões. Lembro que não tinha sol naquele dia, que era mais ou menos cinco da tarde, e que a mãe dela estava linda. Lembro que Luna agitava os braços procurando uma parede de barriga que não existia mais. Lembro bem de ter pensado o que seria a vida daquele bebê, num mundo que parecia se renovar. Lembro de ter pensado, como ela será daqui a vinte anos?

Os vinte anos passaram rapidinho e o mundo não ficou melhor. É cada vez mais violento, mais preconceituoso, e com mais pessoas à margem de qualquer coisa que o leitor possa imaginar de conforto, saúde, educação, moradia, alimentação ou cultura. É um mundo onde a tecnologia nos faz derrubar, sim, os muros que cercam a comunicação. Podemos nos comunicar sem problemas com qualquer cidadão de Berlim que tenha acesso a um computador. Mas é cruel, por esta mesma estatística, pensar que apenas 2% das pessoas no planeta têm acesso a computadores.

É um mundo onde ficou muito fácil para qualquer babaca se dizer democrata, mas que no fundo ainda compra votos, acha que progresso é asfalto, que cultura é turismo, e que destruir cidades e mangues é bacana. Apesar de eu não ter conseguido te dar um mundo mais justo, fiz o que pude, nessa tarefa quase inglória que é a de escrever. Parabéns, minha filhota.

19 comentários:

LIA FAUSTA BONILLA COLOME disse...

Oi Fábio! Oi Luna! Parabéns pelos teus 20 anos. Parabéns Fábio, pelo lindo texto. Sejam felizes...muito felizes...Abraços Familia Colome de Videira

Neide disse...

Cai o muro. Nasce Luna. Da(s) Alemanha(s)você já falou tudo. De Lubeka, meu carinhoso apelido desde sempre, só posso dizer da maravilha da genética de Patrícia e Fábio. Tive e tenho o imenso prazer de vê-la nascer e crescer (de altura, então!)e da garota, absurdamente, encantadora q se tornou. Além de sua beleza, sua inteligência, graça e ironia são cativantes! Parabéns papai sortudo e feliz ano novo, linda Luna!

La Vanu disse...

Meu Deus! Tarefa árdua essa de melhorar o mundo para os nossos filhos!
Há 20 anos eu entrava na faculdade com todas ganas de fazer algo de bom por mim e pelo mundo!
Tenho feito algo de bom por mim...já pelo mundo...tô devendo!
Parabéns Luna!

Luther Blissett disse...

ai muito belo, delicado e ao mesmo tempo contundente. gostei.

Maria disse...

Vocês são muito fofos!!! Luna muito linda, inteligente e criativa. Fez muito bem Fábio, não se culpe, o mundo está mais feliz e colorido com a Luna.
Beijocas em vocês!!!

Í.ta** disse...

mais um lindo texto, fábio.

parabéns pela sensibilidade. pela sinceridade. pelos escritos de sempre.
parabéns.

e a luna, pelos 20 anos.

Guto Lima disse...

Puta la merda! Fábio, mais uma vez se superando! Lindo texto! Linda filha! Futura babá do Zig! Hehehe! Caramba! Quase chorei só de me imaginar no seu lugar, meu camarada! Abraços! Guto Lima

bibi move disse...

parabéns pros dois- lindo texto! a esperança ad mudança, o marco das transformações, a derrubada e limites que são as mudanças políticas, o nascimento de um filho, micro e macro affetos.
qdo nasceu tom o mundo era uma enorme tempestade de neve- não se via nada, nada, nada- de certa forma uma visão reconfortante, uma enorme página em branco estreiando a vida maternal desta mãe artista aqui...

Anônimo disse...

"...como ela será daqui a vinte anos?" Também me perguntei...
E a cada ano,cada dia, hora, minuto e pequeno segundo, ela me surpreende e me encanta, cada vez mais e mais e mais.
E como a Neide disse:
"...maravilha da genética de Patrícia e Fábio". Eu sou grata pela tua sementinha na minha terra. Somos deuses. Que bela criatura criamos, gente fina, elegante e sincera!
Se o mundo tivesse se espelhado nela e se desenvolvido como ela , ele seria melhor, mais justo, elegante,puro, belo, inteligente, alegre, querido e sincero. Bacana pra caramba, fofo demais.
A vida é bela mas a Luna é mais!

Ai,ai...Babei pela cria. Inevitável, né? Coisas de mãe.
pat

Luna disse...

Engano seu, caro Noni. Tu e a mãe conseguiram sim me dar um mundo mais justo. Se somos mesmo um produto do meio, e meu meio é vocês, então sim, me deram um mundo lindo e justo.. E também me preparam pro susto do mundo lá fora (que foi grande, eu admito) mas isso a gente vai levando com bom humor.. te amo muito, etetéqui, etetéqui.

e obrigada aos parabéns via comentários!

Anônimo disse...

eu também devo tecer loas a esta moça linda de nome Luna, filha eterna de meu irmão e amigo Fábio, que conheci nas Lagens, alguns milhões de segundos antes da vinda da bem-vinda Luna: e ainda devo arranhar no vinil o esquecimento de uma planta viva, a xícara de um tango ou a voz de uma letra pra dizer que dediquei um livro pra ti: "Esqui na na China": pede pro teu pai

Fernando Karl

loli disse...

que lindo Fabão, parabéns Luna! beijo grande pros dois.

Anônimo disse...

Eu sei bem como são esses pais eternos apaixonados por suas filhotas... acho demais essa ligação que vai para além de pais-e-filhos. Para essa dupla, parabéns pelo aniversário e por serem exatamente como são.
cecel

Maloio disse...

bem, o texto não me agradou, esperava mais literatura (mas é uma expectativa minha, claro). como eu já disse, nem há obrigações: escritor, leitor, "comentador", publicador... então...
um professor conhecido teu já em tempos me havia dito o Bruggemann polêmico, inconformado, 'indomado', crítico, ousado... deve ser por isso a volta e meia (re)mexida em barro, aterros... asfaltos...
abraço, Maloio

Cris Kith Staviacz disse...

Ola Fabio...Adorei seu texto,quero desejar toda felicidade do mundo pra sua filha...Daqui um mes mais ou menos estou fazendo 21 anos..e meu presente vai vir adiantado..conhecer você é o maior presente que uma pessoa possa ganhar...uma pessoa tão inteligente...E eu sou uma dessas pessoas eu sou aluna do Heriberto Hulse..e estamos no projeto Encontro Marcado Com Autor...que no caso é você!!!Espero vc anciosa!!!

Abraços e felicidades Para Luna!!

By:Crislaine!!

Priscila Lopes disse...

Que lindos!
Santo Antonio de Lisboa,
que mágico!

Dorva disse...

Certamente o mundo ficou mais bonito com a Luna por aqui. E também com a Cleo, com o João e com a Elis (essas as minhas contribuições). Parabéns à moça e ao pai

Raquel Stüpp disse...

lindas palavras, linda a Luna!
Parabéns pra ela, pra ti e pra mãe dela!

Anônimo disse...

04/12/2009 - cabana - Lages SC.

parceria público privado
Assim, alternadamente nos movemos neste mundo. Criamos referências para nos situarmos no tempo e no espaço.
Imagino teu tempo, teu espaço, quando, acontecimento tão significativo como a queda do muro iluminou o futuro real que se desenhava a tua projeção, um ato Divino de Criação.
Parabéns à filhota e seu orgulhoso pai.

O mundo está realmente melhor, o problema são os moradores dele.
Mas com a força da nova geração, que modelamos a nossa imagem e semelhança prosseguimos o caminho, passo a passo.
Ainda faltam alguns muros que continuam a turbar nossa vista: Marrocos,Cisjordania, Ceuta/Melila, Mexico e, depois fronteiras e tordesilhas..
Abraços.