19 de dezembro de 2009

Ainda sobre a árvore

Por respeito aos leitores tentarei explicar o que o secretário de turismo da Capital não sabe, o que a oposição não consegue de forma clara, e o quanto o Tribunal de Justiça tergiversou sobre a árvore na Avenida Beira-Mar, aqui na Ilha de Nossa Senhora dos Aterros. Qualquer pessoa que disser que aquele monstrengo não foi feito com dinheiro público está enganando a população, porque se não fosse público não precisaria de dispensa de licitação. Quando um servidor público diz que determinado projeto não foi pago com dinheiro público, mas por uma empresa por meio de incentivo fiscal, está querendo ludibriar o consumidor. Incentivo fiscal, até criancinha sabe – por mais que tenha sido “captado” na iniciativa privada – ainda é dinheiro público.

A decisão primeira do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, e que por sapiência do próprio Pleno foi revista na quarta-feira passada, é bastante simbólica, porque retrata a pobreza intelectual da capital da Santa e Brega Catarina. Dizia o juiz que o pagamento não deveria ser suspenso porque causaria um prejuízo à imagem de Florianópolis. Como assim? Não leram as matérias na Folha de S.Paulo e todas as piadas que saíram em centenas de blogues e entre os tuiteiros do País, justamente tirando graça por uma cidade gastar tanto dinheiro com uma árvore de Natal? Isso não arruinou a imagem da cidade? A reversão da decisão sabiamente pune o absurdo, o que causa um efeito contrário, que é mostrar ao resto do País que na Ilha de Nossa Senhora dos Aterros tem uma população que zela pelo dinheiro público e que os responsáveis por ideias insensatas são punidos pelo seus magistrados.

Por último, ainda que não fosse dinheiro público, uma empresa privada seria muito estúpida por gastar R$ 3,7 milhões numa coisa medonha como aquela. Tem tanta escola caindo aos pedaços, tanto equipamento queimado nas clínicas públicas, tanta gente dormindo na rua, que essa grana seria uma festa. Mas na Ilha dos Aterros, graças à falta de inteligência, pra não dizer coisa pior, de seus administradores, a falta de bom senso faz apenas criar árvores que já nascem com suas raízes pra lá de podres. Só não vê quem não quer.

3 comentários:

fedrizzi disse...

Boa, Fábio. Muito político acha que dinheiro público não tem dono. Mas somos todos nós, pois é o nosso imposto! Continua denunciando esses absurdos!

Anônimo disse...

Cabana - 24/12/2009
Tudo o que falta nesta Ilha é uma boa serraria... uma Brazil Lumber Company...

Maloio disse...

sim senhor, muito boa, essa de «uma boa serraria»! pior, ainda, é que ia ser difícil aproveitar alguma coisa da cara de pau de nossos administradores.
abraço e uma ótima semana, maloio