10 de abril de 2010

Desastres anunciados

Existem dois tipos de homens públicos. O primeiro é aquele que age em prol do bem público. O segundo é aquele que faz apenas o que lhe dará voto. A história do País tem mostrado que o primeiro tipo, infelizmente, não tem vez entre os eleitores. Isso explica porque estamos cercados pelos políticos do segundo tipo. Andamos tão ocupados com o pagamento do plano de saúde, com a falta de leito nos hospitais, em dar um jeito para pagar a mensalidade da escola dos filhos, que nem nos tocamos mais do óbvio. Se votássemos no político do primeiro tipo, seria sinal de que somos bastante inteligentes para perceber que não precisaríamos mais nos preocupar com planos de saúde, pedágios ou escolas privadas.

Mas também somos eleitores do segundo tipo, porque não nos importamos, por exemplo, com o fato que todos os morros, praias, mangues e áreas de preservação ambiental estão sendo ocupados com vistas grossas, quando não convenientemente avalizados por algum vereador, deputado, prefeito ou governador do segundo tipo. Um dia, como está acontecendo com o Rio de Janeiro, como aconteceu com Blumenau, e, mais recente, com Jaraguá do Sul, a casa cai. E a natureza não é a culpada. Desde que a Terra existe, chove, neva, tem terremoto, tem vulcões e tem tsunamis. Não sabemos nem como nem quando isso vai acontecer, mas é possível prevenir os desastres. Mas estamos cercados de políticos do segundo tipo, e a maioria da população votou neles, não resta muito o que fazer, a não ser, daqui a um tempo, chorar e colocar a culpa na natureza, em algum deus, ou no destino.

Há muito que perdemos a noção do que seja política pública. Nos últimos 30 anos, a população da Capital mais do que dobrou, e, pasmem, o número de leitos hospitalares permanece o mesmo. O número de automóveis emplacados cresceu proporcionalmente centenas de vezes mais que a população. Todos os dias novas famílias se instalam nos morros, praias e mangues, sem que o poder público faça alguma coisa, porque está apenas preocupado com alianças, com a manutenção do poder, e em escapar dos processos por corrupção, enfim, menos com você, eleitor do segundo tipo, que sabe muito bem que estamos diante de desastres anunciados, mas não faz nada para evitar.

3 comentários:

Iluvatar disse...

Dos tipos de políticos, mesmo que encontrassemos uma quantidade significante de políticos do primeiro tipo, de que adianta? o que nossos politicos sabem fazer? do que eles entendem?
Elegemos um bom orador com ótimas promessas, más ele sabe o que fazer, e como fazer? ou sabe apenas o que nós precisamos, ou desejamos e fala isso de maneira apreciável?

Gabriel Gómez disse...

Fabio... Não tivemos tempo de trocar figurinhas, livros, e-mails... Igualmente passei pela livraria e comprei alguns teus. Obrigado pelo passeio pela Ilha de Nossa Senhora dos Aterros... Passa pela "Livros & Livros" para pegar o meu que já está reservado. Um grande abraço de amizade admiração.

Ailande disse...

Gostei muito, Crônica de um desastre anunciado. Bj